O incrível Hulk e o crível Huck

Quando era pequena, e ainda cabia no meu colo, minha filha caçula dizia sentir pena de mim porque meu carro, o Sujinho, já estava meio passado e minha casa, que ela e os irmãos chamavam de Casa da Bagunça, precisava de, sei lá, uma guaribada. Volta e meia, numa declaração de amor infantil, ela prometia tomar uma […]

Leia mais

Quase tudo

São Paulo já me ensinou (a lembrar) que, tirando dinheiro, eu tenho muito mais do que preciso. Tão maior do que todas as minhas necessidades e possibilidades, São Paulo já me ensinou, por exemplo, que é possível viver com 10% das roupas amontoadas no meu armário, no Rio. Ou menos. São Paulo já me fez […]

Leia mais

O Rio do Tarso de Castro

Quem é torcedor de futebol conhece aquele sentimento de vergonha do próprio time depois de um vexame. Não é uma vergonha qualquer. É diferente. Torcedor de futebol, em geral, sabe a diferença entre perder e dar vexame. Vexame é vexame. Não é a mesma coisa. Uma goleada de 7 a 1 numa Copa do Mundo em casa, por […]

Leia mais

A multidão solitária

Uma vez eu escrevi que ser Flamengo é fazer parte de uma multidão solitária contra a qual todo mundo se une pra torcer pelo fracasso. Eu estava no Rio quando escrevi isso. Faz quase 20 anos. Não imaginava que um dia, longe da minha cidade querida, eu experimentaria essa sensação numa potência maior. Estou em […]

Leia mais

A bailarina

A bailarina na foto dá um sorriso, feliz. Mal sabe ela que noto as coisas que não me diz. Como o retrato, eu desboto e vou perdendo o matiz. O mofo e a umidade que ameaçam a lembrança. O tempo, só de maldade, com a bailarina criança, lhe ignora a saudade do dia daquela dança. […]

Leia mais