A bailarina

A bailarina na foto dá um sorriso, feliz. Mal sabe ela que noto as coisas que não me diz. Como o retrato, eu desboto e vou perdendo o matiz. O mofo e a umidade que ameaçam a lembrança. O tempo, só de maldade, com a bailarina criança, lhe ignora a saudade do dia daquela dança. […]

Leia mais

Rio de maio

A Linha Vermelha apagada. A luz de emergência acesa. A Lua, no céu, turvada por, talvez, envergonhada, perceber a safadeza que aprontaram com meu Rio. Meu Rio, cheio de graça, cidade em eterno cio, hoje refém da trapaça de uma gente tão ricaça, roubalheira, só desvio. Até no pão do presídio deram agora pra roubar. […]

Leia mais

A reconstituição de Adalgisa

Sempre em busca dela, a tenra, a inalcançável.

O mundo da cor do barro. O barro de que fui feito. Da vida, já fui esparro, gramei de não ter mais jeito. Sempre em busca de Adalgisa, a tenra, a inalcançável. A transmutada incisiva: impura e inoxidável. Pensei tê-la conhecido, mas foi alucinação. Seu vulto estava escondido na sombra do coração. Pensei tê-la achado, […]

Leia mais

Um amor de carnaval

Não sei quantos anos faz. Ele era jovem demais. Uma mulher mais madura olhou pra ele e foi dura: “Quantos anos você tem?” E prosseguiu com desdém: “Tenho quase a sua idade, faz de conta que é verdade.” Ainda lhe disse assim: “E pode zombar de mim.” Ele não quis responder, só preferiu devolver: “E […]

Leia mais

O ano do sutiã

Apesar da violência que há pouco se fazia, tirando da presidência, também por misoginia, uma mulher inocente pra botar no seu lugar aquele… o Primeiramente, já se pode afirmar que dois mil e dezesseis, muito embora tão mofino, ressalvada a estupidez, foi um ano feminino. A América do Norte, de forma surpreendente, com mais um […]

Leia mais