Rascunhos do coração

As maiores saudades que a gente carrega costumam ser pequenas pros olhos dos outros. São saudades de pessoas e acontecimentos e situações sem importância pra mais ninguém – ou só pra alguns poucos, além de nós mesmos. Saudade não carece de explicação coletiva. Saudade é saudade. Ponto. Saudade da primeira bola de couro da infância, […]

Leia mais

O lado esquerdo da Rua Direita e outras ruas

Eu poderia citar Caetano Veloso e escrever que alguma coisa acontece no meu coração. Dizer que tenho olhado as meninas do lado direito da Rua Direita, como cantavam os Originais do Samba, ou do esquerdo, como prefiro, e me enganado, de bobo, pensando ver quem está longe. Seria tudo verdade. Poderia ainda – com a […]

Leia mais

Primeira carta de São Paulo

São Paulo é logo ali. Mas pra quem chega com a perspectiva de ficar, é longe de qualquer lugar. Um taxista me disse que a rua mais comprida da cidade é a Avenida Sapopemba. Começa no acesso à Avenida Salim Farah Maluf (sim, é parente, foi pai de quem o nome sugere) e se estende até […]

Leia mais

Uma carta de amor

Querida Cidade do Rio de Janeiro. Esta é uma carta de amor. Chamo você assim, de cidade querida, no feminino, porque é assim que eu sinto. O Redentor e o Pão de Açúcar são como seu par de brincos. Vejo o mar aberto e imagino peitos generosos, que me chamam. Passo as mãos sobre o […]

Leia mais

Depois

Sempre que assisto àquele final de “E o vento levou”, o épico da Guerra Civil Americana, eu fico pensando no depois. O depois é aquilo que o filme não mostra, porque acaba antes. A última cena do clássico protagonizado por Vivien Leigh e Clark Gable instiga mesmo a imaginação. Será que a vilã-heroína Scarlett O’Hara, […]

Leia mais