Carta de carnaval

Meu caro amigo Lefê. Escrevo pra você na segunda-feira de carnaval, o primeiro sem sua enorme figura por aqui, no nosso querido Rio de Janeiro – figura que, de tão enorme, sabe Deus como podia caber no seu 1,60m.

Meu caro amigo Lefê. Escrevo pra você na segunda-feira de carnaval, o primeiro sem sua enorme figura por aqui, no nosso querido Rio de Janeiro – figura que, de tão enorme, sabe Deus como podia caber no seu 1,60m. Começo a escrever a poucas horas da concentração do Bloco de Segunda, ali na Cobal do […]

Leia mais

Especulação sobre ela

A mulher que eu não conheço, que nem sei se vai chegar, e acho que nem mereço… Por onde agora andará?

A mulher que eu não conheço, que nem sei se vai chegar, e acho que nem mereço… Por onde agora andará? Subirá sua ladeira depois de muito dançar no breu de uma gafieira? Por onde se exibirá? Ou mora numa planície a me espreitar da janela sem que eu jamais a visse, suspeitasse quem é […]

Leia mais

Mais coisas que eu diria, se pudesse

Diria ainda que os suicídios, com toda a sua carga de drama, como ensina sua história tocante, não são capazes de eliminar quem morre da memória da gente – e essa é a maior dor que podem produzir.

Se eu pudesse, diria a Haruk Murakami que, graças a ele e a seu “Norwegian Wood”, descobri a literatura japonesa. Diria que me emocionei com seu livro e sua tentativa de dissecar o nascedouro dos suicídios. Diria ainda que os suicídios, com toda a sua carga de drama, como ensina sua história tocante, não são […]

Leia mais

Breve exercício sobre o amanhecer

Hoje, quando ele saiu de casa, os faróis dos carros ainda estavam acesos, e as luzes das ruas teimavam. Hoje, quando ele saiu de casa, a manhã fosca ainda se confundia com a madrugada, e no vaivém miúdo de gente brotando nas calçadas era possível adivinhar quem chegava e quem partia. Hoje, quando ele saiu de […]

Leia mais

Para uma certa mulher

A aparência sugere mais de 30. O batom disfarça o sentimento do mundo que parece carregar. Mas as lágrimas denunciam que sofre.

A mulher na Praça General Osório, às quinze para as cinco da tarde, não sabe que bem do lado alguém busca nela a inspiração que falta. Parece querer consolo do sol que ilumina mas não aquece o início do outono em Ipanema, com suas folhas amareladas se desprendendo das árvores para dançar no vento. A […]

Leia mais